SMART GRID

Smart grid, ou “redes inteligentes”, são os sistemas de distribuição e de transmissão de energia elétrica que foram dotados de recursos de Tecnologia da Informação (TI) e de elevado grau de automação, de forma a ampliar substancialmente a sua eficiência operacional de concessionárias e permissionárias.

TGSM consiste em uma solução completa de hardware, firmware e software em uma infraestrutura de serviços na nuvem, capaz de receber dados de medidores de energia elétrica remotamente. Utiliza como método de comunicação entre os pontos, a infraestrutura de rede Mesh, tendo como ponto de concentração um Gatway GSM, que permite a visualização de dados em tempo real com a possibilidade de alertas configuráveis, por e-mail ou SMS.

ASPECTOS RELEVANTES DA REDE MESH

Uma rede Mesh pode ser vista como uma rede com topologia dinâmica, variável e que pode ser facilmente expandida. A comunicação entre esses é realizada através do padrão IEEE 802.11, formando uma grande rede sem fio (malha), utilizando múltiplos saltos para transmitir dados. Nesse caso, cada nó pode atuar como roteador e prover acesso a uma rede externa.

A auto configuração da topologia e descoberta dos nós ativos na rede permite que um nó consiga ingressar na rede automaticamente, sem a necessidade de uma configuração manual. Além disso, se um nó apresentar uma falha e ficar indisponível, a rede cria rotas alternativas automaticamente, sem afetar a disponibilidade da mesma.

Podemos citar três das principais vantagens da rede Mesh:
a) Menor uso de cabeamento, representando menores custos de implantação da rede, especialmente para grandes áreas de cobertura;
b) Cobertura de médias e longas distâncias, com possibilidade de aplicação em terrenos com dificuldades de deformidades e de transposição de obstáculos fixos;
c) Possibilidade de programação over-to-air, para atualizações dos firmwares, oferta de serviços e desativação dos nós de forma remota, reduzindo-se despesas de manutenção e estruturas adicionais;

SMC – SISTEMA DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

Este sistema agrega módulos eletrônicos destinados à medição individualizada de energia elétrica, desempenhando as funções de concentração, processamento e indicação das informações de consumo de forma centralizada conforme previsão da Resolução 414/2010 ANEEL.

Por definição, é um local onde se centraliza a gerência de uma rede de comunicação, monitoramento e medição como neste caso. A partir desse centro e de programas de computador que monitoram a rede, os operadores podem saber em tempo real a situação de cada medidor dentro da rede de medição.

  • REDUÇÃO DE PERDAS TÉCNICAS

    Maior eficiência comercial por meio da redução de perdas técnicas, com a qualidade da energia ofertada e por meio da gestão do horário de consumo de energia pelo próprio consumidor. A confiabilidade do sistema elétrico também aumenta com a interoperabilidade entre os diversos componentes da rede e as subestações, gestão de ativos e do planejamento da capacidade de geração, transmissão e distribuição de energia.

  • SEGURANÇA OPERACIONAL E SISTÊMICA

    Elevado nível de segurança é obtida através do controle de acesso dos usuários de rede, da redução de energia não distribuída e das perdas por fraudes, bem como, da viabilização para geração distribuída e a gestão para contingências e auto recomposição da rede de energia elétrica, além de antecipar e responder a perturbações no sistema mediante reconfiguração automática definida pelo operador da rede via NOC.

  • AUTO DETECÇÃO DE INTERRUPÇÃO

    Identificação instantânea e precisa de uma queda no fornecimento na rede e a realização automática de manobras necessárias para viabilizar um pronto reestabelecimento do fornecimento. As informações em tempo real possibilitam o isolamento das áreas afetadas e o redirecionamento do fluxo de energia de forma a manter o maior número possível de consumidores atendidos, ajudando na prevenção de interrupção de fornecimento.

  • SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

    As smart grids também são apontadas como uma ferramenta providencial para os países se ajustarem às demandas resultantes do protocolo de Kyoto, fruto da diversificação dos negócios e das oportunidades para novos serviços de valor agregado ofertados pelas concessionárias, como a recente regulamentação do net metering e o uso de veículos elétricos e híbridos conectados às redes, a sustentabilidade econômica e ambiental já faz parte dos projetos de Smart Grid.

  • REDUÇÃO DE CUSTOS COM TI

    O software tem sua distribuição e comercialização no formato SAAS, do inglês Software as a service (SaaS). A iN2 se responsabiliza por toda a estrutura necessária para a disponibilização do sistema (servidores, conectividade, cuidados com segurança da informação). Neste serviço, a iN2 fornece o equipamento em comodato e o cliente utiliza o software via internet pagando um valor pela licença de instalação e uma mensalmente ou anuidade pela cessão de uso do software.

  • CORTE E RELIGA REMOTO

    Condição de realizar corte e religa remoto de consumidores com irregularidades no pagamento das contas de energia elétrica ou, que solicitaram o serviço. Como se trata de um sistema automatizado pode-se apontar ganhos significativos, tanto em tempo de operação quanto em perdas do sistema de distribuição por inadimplência dos operadores. Além disso, há de se economizar com equipes de campo e suas peculiaridades, anteriormente fundamentais.

  • CONTROLE E QUALIDADE DA TENSAO

    Monitoramento e controle da qualidade da tensão individual de cada fase diretamente no medidor de energia elétrica do cliente, em cumprimento a Resolução nº 505/2001 ANEEL, que dispõe continuidade dos serviços públicos de energia elétrica, que deverá ser supervisionada, avaliada e controlada por meio de indicadores coletivos que expressem os valores vinculados a conjuntos de unidades consumidoras, bem como indicadores individuais associados a cada unidade consumidora e ponto de conexão.